As lajes de tijolos alaranjados costuradas por inúmeras vielas e ruas dá cor e se destaca em meio ao luxuoso bairro do Morumbi: é a favela de Paraisópolis, em São Paulo, a quinta maior do país. Por lá, moradores criaram a campanha #EuAmoParaisópolis na redes sociais, que traz duas pautas importantes: a continuidade das obras de urbanização e melhora da mobilidade.

Jornal Espaço do Povo/Reprodução

O movimento traz à tona a interrupção do projeto de urbanização – no papel desde 2010 – que afetou, por exemplo, a canalização do córrego que corta toda a comunidade. O projeto municipal inclui moradia popular e saneamento básico. Eles pedem também a aceleração do processo de implementação da linha 17-Ouro do Metrô em Paraisópolis, que atrasará por mais três anos, de acordo com o cronograma do governo estadual.

A hashtag #EuAmoParaisópolis pega o gancho de “I Love Paraisópolis”, título da próxima novela da Globo, cujo cenário será a favela. A produção estreia no dia 11 de maio. Por conta disso, inclusive, alguns atores que compõem o elenco aderiram à campanha, entre eles Henri Castelli, Mariana Xavier e Tuna Dwek.

Com um olhar apurado, Vagner de Alencar, jornalista, escritor e autor do livro “Cidade do Paraíso – Há vida na maior favela de São Paulo” (2013), comenta que a exposição midiática pode trazer os benefícios necessários ou estigmatizar ainda mais o local.“A novela ‘I Love Paraisópolis’ vai alçar Paraisópolis a uma projeção nacional e a campanha ganhará visibilidade. A depender como sua representação for feita, pode ser tanto positivo quanto negativo. Bom, por mostrar o cotidiano, fora das lentes do tráfico e da violência, como ainda, infelizmente, as periferias são retratadas. Ruim se reforçar esses estigmas, ampliando a visão deturpada que as pessoas têm das favelas”, disse ele.

Além da mobilização na web, a União dos Moradores e do Comércio de Paraisópolis (UMCP) vai realizar sexta-feira, dia 17, um ato na Avenida Giovanni Gronchi, na zona sul, a partir das 17h.